Você já pensou que pode preparar um delicioso molho pesto sem ser de majericão?! Eu pergunto isso porque vejo algumas pessoas perdendo a oportunidade de preparar um pesto de ervilhas, de rúcula ou até mesmo de agrião. Ops!!!...a nossa receita de hoje! 

Pois bem, a base é a mesma para todos: o seu verdinho preferido, azeite, parmesão, alho, sal e pinolis (que sempre substituo por nozes para viabilizar financeiramente...hehe). Entendendo a dinâmica da receita você pode variar e servir esse molho delicioso com uma boa massa, em um sanduíche de pão gostoso, com bolinhas de muçarela de búfala e com carpaccio - que eu amooo!!


Pesto de agrião

- 1 xícara (chá) de folhas de agrião (aperte na xícara)
- 1/2 xícara (chá) de azeite
- 1/4 dente de alho
- 1 cubo de gelo ou 1 colher (sopa) de água gelada
- 3 colheres (sopa) de nozes picadinhas
- 1/3 xícara (chá) de queijo parmesão ralado na hora
- Sal e pimenta do reino a gosto

Coloque o azeite, o alho, o gelo, o agrião e as nozes no liquidificador (ou processador) e comece a bater. Comece colocando os líquidos para facilitar o batimento, ok? Caso você tenha um pilão use para macerar as folhas e substitua o gelo por uma colher de sopa de água gelada - isso ajuda a manter a cor verde mais viva.

Vire a mistura em um vasilha e coloque o parmesão ralado fino. Isso mesmo, o parmesão entra depois e não deve ser batido junto. Acerte os temperos e sirva como preferir.

Você pode manter o molho na geladeira, mas tenha o cuidado de cobri-lo com azeite para evitar que fique escuro.

Eu servi com carpaccio de lagarto que comprei pronto. Só coloquei as fatias em uma travessa, temperei com azeite, sal rosa, pimenta do reino e finalizei com o pesto de agrião e algumas folhinhas para dar um charme. Um pãozinho e um vinho acompanham super bem. 





Deixa eu contar que isso não tem receita?! :-) Pois é verdade! E olha como nos deixamos influenciar pelas lindas fotos que encontramos na internet... Estava eu olhando o meu feed de notícias do Instagram quando me deparei com a foto de um iogurte com abacaxi e baunilha no perfil dos meus super queridos Eugênio e Márcia da Mbee. Juro, salivei!! E aproveitando que eu já estava na rua corri para comprar um abacaxi bem maduro, porque o resto eu sabia que tinha em casa.

Bom, cortei o abacaxi em pedaços pequenos e coloquei em uma panelinha com água o suficiente para cobrir o fundo da panela. Abri meia fava de baunilha, retirei todas as sementinhas deliciosamente mágicas e saborosas e coloquei junto na panela. O mel entrou aos poucos, apenas para valorizar o sabor  - é que meu abacaxi estava beeem maduro. Deixei cozinhar lentamente por uns dez minutinhos, mas fui pingando água na medida que secava.

Depois de cozinhar o abacaxi coloquei um pouco de mel em uma frigideira e deixei aquecer um pouquinho. Coloquei alguns pedaços da fruta e deixei dourar. 

Feito isso virei um potinho de iogurte grego em uma travessinha e acrescentei alguns pedaços de abacaxi sobre ele. O caldinho rico em sabor e aroma coloquei por último.

Pronto, matei a minha vontade e comi rezando. 



Espero que tenham gostado.
Beijos e até a próxima!


A inspiração dessa receita veio do almoço do meu aniversário. Na ocasião, saí com algumas amigas para celebrar o dia no restaurante Manioca que fica no shopping Iguatemi São Paulo, que por sinal super recomendo. O meu pedido foi um tartar de atum com quinoa e eu simplesmente amei!! Bom, vocês já conseguem imaginar a minha ansiedade para preparar a minha versão...e assim surgiu essa receita aqui. 

Pensei logo no salmão (amo!!) e no cuscuz para variar a quinoa. A ideia da cor veio depois - depois de algumas horas pensando em deixar a receita com a minha identidade - e eu queria justamente fazer uma ligação entre o tom do salmão e o do cuscuz...para a beterraba foi um pulo.

A receita é fácil e muito gostosa. Realmente espero que vocês façam, porque a combinação é saborosa e o visual incrível. 


Tartar de salmão e cuscuz marroquino com beterraba
(2 porções)

Para o cuscuz marroquino

1/2 xícara (chá) de cuscuz marroquino
1/2 xícara (chá) de suco de beterraba*
sal e pimenta do reino a gosto

Ferva o suco de beterraba, desligue o fogo e vire todo o cuscuz marroquino sobre o suco. Tampe a panelinha e espere hidratar durante 5 minutinhos.

Com a ajuda de uma garfo solte os grãos e tempere com sal e pimenta do reino a gosto.

*Bata meia beterraba no liquidificador com um pouco de água até conseguir um suco concentrado. Passe tudo pela peneira e reserve a quantidade indicada para a receita. Quanto mais forte o suco, mais escuro ficará o cuscuz. Caso sobre suco guarde em forminhas de gelo para usar em outra oportunidade.


Para tartar de salmão

350g de salmão fresco
1/4 limão siciliano (raspas e suco)
3 colheres (sopa) de azeite
1/4 cebola roxa em cubinhos pequenos
Salsinha a gosto
Sal
Pimenta do reino
Folhas de agrião para decorar

Corte o peixe em cubos pequenos e mantenha-os em uma vasilha em banho-maria com água e gelo. 

Tempere o peixe com o azeite, a cebola, o sal, a pimenta do reino e, por último, o limão. Finalize com a salsinha picadinha e misture bem. O limão vai no final do preparo para evitar que cozinhe o peixe.

Para a montagem

Use um aro de aproximadamente 10cm de diâmetro para montar o prato. Você pode inclusive usar uma folha de acetato ou de papel manteiga para criar um molde.

Centralize o aro em um prato e coloque todo o cuscuz hidratado no fundo. Aperte delicadamente para que ele não se desmanche quando você soltá-lo.

Coloque o tartar por cima junto com as folhas de agrião. Retire o aro e finalize com a cebola roxa e as raspas de limão. 

Sirva imediatamente.


Sabe uma receita fácil, gostosa e suculenta? É essa!!! Agora o melhor mesmo é saber que esse "nhoque" - entre aspas, porque essa é uma adaptação sem farinha - é muito nutritivo. 

Alguns truques você precisa saber para acertar de primeira, por isso fique atento à receita e ao método de preparo,ok?

Quero dizer também que fiz um ensopado de linguiça que já postei aqui , mas fique livre para preparar o molho de sua preferência. Algumas opções que combinam super bem: pesto de manjericão, molho básico de tomate, bolonhesa...Bom, capriche no molhinho que você adora fazer e seja feliz!!

Separe todos os ingredientes e mãos na massa...


"Nhoque" de batata-doce e inhame
(3 porções)

- 260g de batata-doce descascada e crua (uso da casca roxa)
- 260g de inhame descascado e cru
- 1 dente de alho inteiro sem casca
- 3 colheres (sopa) de manteiga
- azeite
- queijo ralado a gosto
- sal e noz-moscada a gosto

Pique a batata-doce e o inhame em pedaços iguais (isso facilita o cozimento por igual).

Cozinhe os legumes com o alho no vapor até ficarem bem macios. É fundamental que seja no vapor para evitar que absorvam muita água.

Com a ajuda de um espremedor de batatas reduza tudo a um purê e tempere com sal e noz-moscada a gosto. A massa fica macia, mas bem consistente (repare na primeira foto).

Espere esfriar completamente antes de moldar as bolinhas.

Comece formando pequenas bolinhas com as mãos e modele formas irregulares. Eu gosto de fazer assim para que o molho seja melhor absorvido, mas você pode fazer bolinhas bem redondinhas e lisas também.

Aqueça a manteiga com o azeite em uma frigideira larga e antiaderente. Aos poucos coloque as bolinhas da massa e sele rapidamente. Retire e repita esse processo até que todas a massa esteja envolvida na manteiga.

Forre uma assadeira individual ou tamanho família com o molho de sua preferência. Coloque o "nhoque" por cima sem sobrepô-los demais. Como essa é uma massa bem sensível ela perde muito da estrutura do nhoque normal, feito com ovo e farinha. Por isso você não consegue cozinhá-la em água fervente. E nem tente, pois ele se dissolve na água.

Cubra a massa com azeite e pimenta do reino. Finalize com uma generosa camada de queijo ralado na hora. Uso muito aqui em casa queijo meia cura e parmesão.

Leve ao forno na função grill até dourar. E atenção!!! Não deixe tempo demais no forno, caso contrário as bolinhas vão se desfazer.

A última dica: como essa mistura não leva ovo, você pode simplesmente passá-la na manteiga e servir com o molho sem passar pelo forno. Optei por fazer assim para gratinar o queijo e deixar o meu prato mais suculento.

Sirva imediatamente.
´
Até a próxima!
Beijos



Vou me ater às denominações...

Se ragu é um molho preparado com carne, vinho, legumes e extrato de tomate, eu tenho aqui um ensopado. Isso porque só a carne foi para a minha panela. Eu não tinha vinho, legumes e muito menos extrato de tomate para enriquecer o molho - que para uma refeição feita em 30 minutos - ficou maravilhosa.

O escalfado do ovo é a técnica do cozimento, ou seja, cozinhá-lo em líquido fervente, no nosso caso, o molho. O resultado é incrível, principalmente para quem adora uma gema mole como eu.


Ensopado de linguiça com ovo escalfado


4 gomos de linguiça (uso a de pernil suíno)
1 colher (sopa) de óleo vegetal
1/2 cebola 
3 dentes de alho
1 lata de tomate pelado
200 ml de água
1 colher (café) de erva-doce em sementinhas
Sal e pimenta do reino a gosto
Ramos de tomilho
Salsinha a gosto
2 ovos

Em uma tábua abra as linguiças e retire a carne, descartando a pele. Pique na ponta da faca até obter pedaços bem pequenos e uniformes.

Em uma panela aqueça o óleo, coloque a linguiça e refogue até dourar.

Assim que a carne estiver bem douradinha acrescente a cebola picadinha e logo depois o alho amassado. Refogue por mais 3 minutinhos.

Vire parte da água na panela e raspe bem o fundo para soltar todo o sabor impregnado.

Abra a lata do tomate pelado e vire em uma vasilha funda. Com as mãos esprema os tomates para que se misturem ao caldo da própria lata. Eu aprendi na escola que não devemos cortar as sementes dos tomates quando queremos um molho menos ácido, por isso espremo com as mãos.

Coloque o tomate espremido na panela com o restante da água e acrescente a erva-doce e os ramos de tomilho. Acredite, erva-doce combina perfeitamente com carne de porco.

Cozinhe em fogo baixo por aproximadamente 20 minutinhos. Você pode pingar água caso o molho seque demais. Acerte os temperos para finalizar.

No momento de servir quebre os ovos em uma tigelinha separada e acrescente-os dentro do molho. Tampe a panela e deixe cozinhar de 5 a 7 minutos. 

No momento de servir coloque um pouco do molho em um prato ou travessa individual e sirva com o ovo por cima. Finalize com a salsinha e pimenta do reino moída na hora. Pão é o acompanhamento perfeito!

Simples, rápido e delicioso.

Até a próxima!



A inspiração dessa receita veio da querida Felícia do Alimento do Bem. É que ela postou no Instagram a foto de um quibe de abóbora muito apetitoso e eu logo me animei a preparar a minha versão dessa gostosura.

Chamei de torta porque quibe leva trigo e essa receita leva quinoa. Algumas coisinhas a mais e essa delícia ganhou textura e sabor extra.




Torta de abóbora com quinoa 

350 g de abóbora cabotiá (pesada, cozida e amassada)
1/2 xícara (chá) de quinoa em grãos crua
1 dente de alho
Salsinha
Sal e pimenta do reino
180 g de coalhada seca (opcional)
1 cebola roxa fatiada
1/4 xícara (chá) de nozes picadas
Azeite
2 colheres (sopa) de manteiga

Coloque a abóbora e o alho descascado em água abundante e assim que levantar fervura tempere com sal. Cozinhe até que a abóbora fique bem macia. Coe tudo e reserve a água do cozimento para cozinhar a quinoa.

Amasse a abóbora e o alho enquanto a quinoa cozinha. Depois disso acrescente a quinoa coada e tempere com sal, pimenta do reino e a salsinha picadinha. Misture até formar uma massa homogênea.

Forre uma assadeira pequena com a cebola fatiada e as nozes picadas. Tempere tudo com sal e pimenta. Regue com azeite e coloque por cima a metade da massa de abóbora.

Cubra com a coalhada seca e vire o restante da massa de abóbora por cima. Nivele e faça cortes diagonais até o fundo da travessa.

Coloque pequenos pedaços de manteiga por cima da torta e leve ao forno preaquecido a 180 graus até ficar levemente dourado - aproximadamente 30 minutos.

Sirva quente ou frio.

Receita fácil e muito gostosa para vocês.

Beijos e até a próxima.


Quando pensei na possibilidade de unir a textura e o sabor de um peixe temperado com ervas frescas à cremosidade de uma sopa de couve-flor fiquei bem animada e corri para a cozinha.
Essa receita surgiu assim, e o resultado foi maravilhoso. Sirva quentinha e aproveite para acompanhar uma boa taça de vinho.


Filé de peixe com creme de couve-flor
(duas porções)

Para o peixe:

3 filés de peixe branco (usei tilápia)
1 dente de alho amassado
Suco de meio limão
Azeite
Sal e pimenta do reino
Ervas frescas a gosto (sálvia, alecrim, tomilho, salsinha)
2 colheres (sopa) de vinho branco
6 palitos pequenos

Faça uma marinada com o alho, suco de limão, o azeite, o sal, pimenta do reino, as ervas bem picadinhas e o vinho branco.

Corte os filés de tilápia ao meio no sentido do comprimento e coloque-os na marinada por 30 minutos em refrigeração.

Preaqueça o forno a 180 graus enquanto prepara as rosetas de peixe.

Retire o peixe da geladeira e sobre uma tábua enrole cada filé formando uma roseta. Prenda as pontas com o palito.

Vire a marinada em uma assadeira e distribua as rosetas. 

Tampe com papel alumínio e leve ao forno por aproximadamente 20 minutos.

Para o creme de couve-flor:

500 g de couve-flor cozida
1 dente de alho descascado
200 ml de leite integral
200 ml de creme de leite fresco
Sal e pimenta do reino
Noz-moscada ralada

Cozinhe a couve-flor e o dente de alho em água abundante. Reserve.

No liquidificador coloque o leite, a couve-flor cozida e o alho e bata bem até obter um creme espesso.

Coloque o creme em uma panela e leve ao fogo até ferver.

Tempere com o sal, a pimenta do reino e a noz-moscada a gosto.

Por último, acrescente o creme de leite fresco. 

Deixe encorpar e desligue o fogo.

Para a montagem:

Sirva uma concha grande da sopa de couve-flor em um prato fundo e distribua as rosetas de peixe.

Finalize com azeite e pimenta do reino.

Sirva imediatamente.